sábado, 16 de janeiro de 2016

UM NOVO MANDAMENTO ACERCA DO AMOR



Em certa ocasião Jesus teceu um comentário elogioso a um religioso que indagava o que deveria fazer para herdar a vida eterna. Jesus, sem dar respostas diretas como fazia muitas vezes, estimula o doutor da lei [religiosa] a responder e este respondeu bem:


"E, respondendo ele, disse: Amarás ao Senhor teu Deus de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todas as tuas forças, e de todo o teu entendimento, e ao teu próximo como a ti mesmo. E disse-lhe: Respondeste bem; faze isso, e viverás."


 Contudo, embora seja essa a síntese no Antigo Testamento, pois  o amarás o próximo como a si mesmo também já constava em Lv 19.18, Jesus optou por dar aos homens um novo mandamento.

No que diz respeito ao amar a Deus sobre todas as coisas, com certeza prevalece, mas o "amar o próximo como a si mesmo", este sofreu alteração, e isso pelo próprio Jesus. Lembra-se? Os textos estão em Jo 13.34 e 15.12.

13. 34: "Novo mandamento vos dou: que vos ameis uns aos outros; assim como eu vos amei, que também vos ameis uns aos outros."

15.12: "O meu mandamento é este: que vos ameis uns aos outros, assim como eu vos amei."

A mudança é brutal, pois agora o parâmetro para amar ao próximo não é mais o que professa a Deus e como ama a si mesmo, mas o padrão é o amor de Cristo. Se observado este mandamento, quantos problemas evitaríamos em nosso meio, todos? Talvez grande parte deles... quase todos.

Nunca é demais relembrar que quem odeia o irmão e diz amar a Deus é mentiroso (1 Jo 4.20), para João, é impossível amar a Deus e odiar o próximo. Mais grave ainda, é considerar o versículo 8 do mesmo capítulo, pois João afirma que quem não ama não conhece a Deus. Simples assim, quem não ama não procede de Deus (v. 7), não nasceu dEle.

Ir aos cultos, cumprir um conjunto de regras, observar "pode" e "não pode" não atesta que ninguém é cristão, ou salvo, ou filho de Deus. São os frutos que atestam quem somos.

O mundo precisa ouvir o Evangelho e crer em Cristo, correto? Mas não basta somente pregar, falar, gravar DVDs com mensagens etc., o mundo precisa VER, sim, VER que amamos uns aos outros. O próprio Jesus o disse, confira:

"Nisto conhecerão que sois meus discípulos: se tiverdes amor uns pelos outros." (Jo 13.35)

Mais à frente, orando por nós, clamou o Messias: "... a fim de que todos sejam um; e como és tu, ó Pai, em mim e eu em ti, também sejam eles em nós; para que o mundo creia que tu me enviaste." (Jo 17.21)

Queremos que o mundo creia mais, amemos não só de palavra, mas em verdade.

Por fim, a caridade não pode ser, não é e nunca será o meio para salvação; a salvação é pela graça (Ef 2.8), dada por Deus, oferecida ao homem que deve acenar positivamente para o chamamento divino, sendo justificado e santificado, exigindo-se, daí em diante, que tal encontro com o Eterno seja demonstrado em obras, na prática, no dia a dia.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

O PÚLPITO PENTECOSTAL (2)

Se por um lado há falta de preparo por parte de muitos pregadores sobre os púlpitos (leia aqui ), de outro há uma tendência em achar que ...