sábado, 2 de março de 2013

LIÇÃO 09- “ELIAS NO MONTE DA TRANSFIGURAÇÃO”


LIÇÃO 09- “ELIAS NO MONTE DA TRANSFIGURAÇÃO”

Alguns apontamentos em Lc 9.28-36:

(v.28): Cristo subiu ao monte para orar com seus discípulos;
(v.29): “enquanto orava...”, quando o Senhor orava a glória de Deus foi manifesta. O Senhor nos adverte a orar em todo tempo, pois através da oração grandes coisas acontecem, por exemplo: a cessação da chuva em Israel através de Elias; a chuva que voltou a cair; a resposta no monte Carmelo; a libertação de Pedro etc.
(v.30): a presença de Moisés e Elias representava, respectivamente, a Lei e os profetas. Estes atestavam divindade de Cristo e confirmavam sua morte que se daria na cruz.
Também vemos Moisés e Elias, apesar de terem sido grandes em Israel, subordinados ao Salvador.
(v.31): partida: exodus; assim como Moisés foi o libertador de Israel do Egito, Cristo “partiria” (morreria na cruz) para libertar os cativos do pecado e inaugurar um novo povo que está sendo conduzido à eternidade, à Canaã celeste.
(v.32): “sua glória”; o esplendor e majestade que Cristo deixara no céu ao vir para a terra. Vemos também sua divindade e não um simples profeta do povo ou líder religioso.
(v.33): Aqui, ou Pedro queria que aquele momento maravilhoso continuasse ou queria desviar Cristo da cruz, como em Mt. 16.22.
(v.34): Em outras ocasiões a glória de Deus se manifestou também na nuvem, Uma nuvem. “Não uma nuvem de chuva, mas o Shequiná que marcava a presença de Deus (Êx. 13:21, 22; 40:38; Nm. 9:15; Sl. 99:7; Is. 4:5; II Cr. 7:1).”
(v.35): Depois da Lei e os Profetas, o próprio Deus dá testemunho de Cristo, assim como no batismo, em Lc. 3.22.
Eleito: antes Israel, agora, Ele, o Eleito, transforma e resgata os escolhidos, sendo que estes o foram não por méritos, mas pela Graça divina (Ef. 1.4).
Em quem me comprazo (Mt. 17.5)”: Deus tinha prazer na obediência de Cristo, que sujeito até à morte de cruz. A obediência a Deus às vezes implica situações dolorosas e difíceis, mas agrada àquele que nos escolheu.
A Ele ouvi”: sendo Deus, cumpridor do plano estabelecido antes da fundação do mundo, Cristo é digno de ser obedecido e reverenciado, pois tudo o que ensinou e viveu foi recebido do Pai. Só nele há salvação.
(v. 36): Depois da glória, esplendor e amostra da grandeza divina, Cristo ficou em evidência, só Ele. De tudo, o que restou foi Cristo, Ele foi o centro da manifestação gloriosa e deve ser tanto na igreja quanto na vida de cada cristão.

 A figura central da Transfiguração é Cristo, como em toda Bíblia. Sendo assim, extraído do livro "Respostas Convincentes", que reúne o melhor de Josh McDowell, as informações abaixo são claras e fortes evidências acerca da divindade de Jesus e atesta que, incomparavelmente, ele é o que haveria de vir:


Profecias acerca do Cristo:
 
1- Nascido de mulher (Gn 3.15; c.f Gl 4.4);
2- Nascido de uma virgem ( Is 7.14; Mt 1.21);
3- da descendência de Abraão (Gn 12.1-3; cf. Mt. 1.1 e Gl. 3.16);
4- da tribo de Judá ( Gn 49.10; cf. Lc. 3.23,24);
5- da casa de Davi ( 2 Sm 7.12 ss; cf. Mt. 1.1);
6- nascido em Belém (Mq 5.2; cf. Mt 2.1 e Lc 2);
7- ungido pelo Espírito (Is 11.2; cf Mt 3.16,17);
8- precedido por mensageiro (Is 40.3 e Ml 3.1; cf. Mt. 3.1,2);
9- realizador de milagres (Is 35.5,6; cf. Mt9.35);
10- purificador do templo ( Ml 3.1-3; cf. Mt 21.12);
11- rejeitado pelos judeus ( Sl 118.22; cf. I Pe 2.7);
12- Sofreria uma morte humilhante
a)   A rejeição pelo seu povo (Is 53.3; cf Jo 1.10.11);
b)  O silêncio diante dos acusadores (Is 53.7; cf. Mt 7.12-19);
c)   O escárnio por parte de pessoas (Sl 22);
d)  A perfuração das suas mãos e pés (Sl 22.16; cf Lc 23.33);
e)   A crucificação junto com pecadores (Is 53.12; cf. Mc 15.27,28);
f)   A oração pelos seus perseguidores (Is 53.12; cf Lc 23.24);
g)   A perfuração na lateral de seu abdômen (Zc 12.10; cf Jo 19.34)
h)  O sepultamento em túmulo de um rico (Is 53.9; cf Mt 227.57);
i)    O lançamento de sorte sobre suas vestes (Sl 22.18; cf Lc 23.24 e Jo 19.23,24);
j)   Ressuscitado dentre os mortos (Sl 2.7; 16.10; cf. At 2.31 e Mc 16.6)
k)   Ascenderia aos céus (Sl 69.18; cf. At 1.9);
l)    Sentaria á direita de Deus (Sl 110.1; cf Hb 1.3).



O PÚLPITO PENTECOSTAL (2)

Se por um lado há falta de preparo por parte de muitos pregadores sobre os púlpitos (leia aqui ), de outro há uma tendência em achar que ...