sexta-feira, 26 de setembro de 2008

SEM ARMADURA??




Em dias em que tantos cristãos guerreiam espiritualmente, tanto se fala em amarrar, determinar e tantas coisas ligadas a ações que caracterizam o povo evangélico como soldados em meio a uma batalha, necessita-se de armas, de estarem vestidos de uma armadura para resistir a tudo quanto lhes atacar. Mas, contra quem se dá nossa batalha? Somos mesmo atacados ?
O apóstolo Paulo ao escrever sua carta à igreja do Senhor Jesus na cidade de Éfeso advertiu-os da seguinte forma:

"Portanto, tomai toda a armadura de Deus, para que possais resistir no dia mau e, havendo feito tudo, ficar firmes. Estai, pois, firmes, tendo cingidos os vossos lombos com a verdade, e vestida a couraça da justiça; E calçados os pés na preparação do evangelho da paz; Tomando sobretudo o escudo da fé, com o qual podereis apagar todos os dardos inflamados do maligno. Tomai também o capacete da salvação, e a espada do Espírito, que é a palavra de Deus;Orando em todo o tempo com toda a oração e súplica no Espírito, e vigiando nisto com toda a perseverança e súplica por todos os santos," Efésios 6.13-18


Paulo fazia uma comparação das armas que nos são necessárias, com o modelo de armadura usada pelos soldados romanos pois, a Bíblia nos relata que estamos sim em uma batalha, contra seres nas regiões celestiais:"Porque não temos que lutar contra a carne e o sangue, mas, sim, contra os principados, contra as potestades, contra os príncipes das trevas deste século, contra as hostes espirituais da maldade, nos lugares celestiais." (Efésios 6 : 12), e contra nós mesmos: "Porque o que faço não o aprovo; pois o que quero isso não faço, mas o que aborreço isso faço." (Romanos 6.15) e vv 16-25. Diariamente o cristão é atacado pelo inimigo que quer fazê-lo pecar, distanciá-lo do seu Deus (Ef 6.16b); mas Deus coloca à disposição de seus soldados uma poderosa armadura que, se usada de forma correta o manterá firme durante toda batalha até que aquele que o alistou para Seu exército lhe recompense com inefáveis maravilhas :"O qual recompensará cada um segundo as suas obras; a saber: A vida eterna aos que, com perseverança em fazer bem, procuram glória, honra e incorrupção .Mas a indignação e a ira aos que são contenciosos, desobedientes à verdade e obedientes à iniqüidade;Tribulação e angústia sobre toda a alma do homem que faz o mal; primeiramente do judeu e também do grego;Glória, porém, e honra e paz a qualquer que pratica o bem; primeiramente ao judeu e também ao grego; ( Romanos 1.6-10).
Nesse constante e diário combate o Senhor no adverte a estarmos sempre cingidos com a verdade, e como falta a verdade em alguns servos de Deus, não só verdade no sentido de os lábios não pronunciarem aquilo que é mentira mas, verdade no tocante ás nossas atitudes para com o próximo pois, se dissermos que amamos Deus a quem não vemos, logo, amamos nossos irmãos a quem vemos senão somos mentirosos; também devemos ser verdadeiros quanto á assistência aos pobres pois é mandamento do Senhor que, nos recompensará até por um copo d'água que a algum dos seus pequeninos oferecermos ( Mt 10.42). Não poucas vezes a Bíblia nos exorta á verdade, para que abandonemos a mentira (Ef4.25); para que guardemos os mandamentos do Senhor não sendo mentirosos ( I Jo 2.4);e ainda é clara em dizer que os mentirosos não entrarão no Reino dos céus (Ap 21.8; 22.15).
Outro item da armadura do soldado de Cristo é a justiça, algo também esquecido nos dias atuais, os homens valem-se muito mais de seus interesses, em manipular situações em favor próprio, do que serem justos em todo tempo, ainda que sofra dano o servo do Senhor tem de ser justo( Sl 15.4); mas, para os que anseiam por justiça e por ela lutam, serão saciados pdelo Justo Deus( Mt 5.6).
O Evangelho da paz, que deve ser aquilo que levamos à todos que encontrarmos, tem sido substituído por um evangelho de tribulação, alguns trocam a cruz de Cristo e seu leve fardo por uma religiosidade pesada e que está longe de estabelecer a paz que o Cristo veio trazer aos que estavam separados do Criador, contudo, o verdadeiro soldado do batalhão celeste leva a toda parte o EVANGELHO que põe a criatura em paz com seu Criador a e ainda torna-á na condição de filho, não sendo mais o criador apenas aquele que lhe deu vida mas, um Pai amoroso que conduz ao céu.
A fé, descrita pelo escritor aos Hebreus da seguinte forma: "ORA, a fé é o firme fundamento das coisas que se esperam, e a prova das coisas que se não vêem." (Hebreus 11 : 1), item sem o qual não podemos agradar aquele que nos alistou ( Hb 11.6), tem de estar presente na vida do servo de Deus, intrinsecamente, pois sem ela nem podemos nos alistar nesse exército vencedor quanto mais guerrear por ele sendo vencedores. A fé deve estar alicerçada num único fundamento, Cristo ( I Co 3.11), não há outro e nunca haverá, se a fé não está posta no filho de Deus ela é vã e infrutífera para a vida eterna, alguns que se denominam ministros de Deus levam o povo a exercitarem sua fé em amuletos e tudo quanto lhes seja acessível para manipular o maior número possível de desavisados; uma fé centrada em Jesus e a cada dia acrescida pelo ouvir da palavra de Deus é um escudo através do qual ficamos protegidos contra os dardos no inimigo das nossas almas.
O capacete protegia a cabeça do soldado, parte mais sensível e importante do corpo humano, assim também deve ser também nossa salvação, devemos valorizá-la como bem inegociável e que nunca deve sair de nossa cabeça que dirige todo o corpo, salvação essa que não foi obtida por preço insignificativo mas, que nos foi oferecida não sendo possível pagarmos por ela, nem ainda que esgotássemos todos os recursos do mundo. Fora do sacrifício de Cristo não há salvação (At 4.12),e essa salvação não é exclusiva de etnia, povo ou classe de determinadas pessoas ( At 2.21).
A espada a que Paulo se referia é a Palavra de Deus como mostra o versículo, sem ela é frustrado todo esforço do soldado para se manter vivo em uma batalha, a Palavra de Deus é que nos libertou ( Jo 8.32), e usando-a o soldado de Cristo tem o poder de libertar outros cativos. A espada do Espírito é que nos faz viver na peleja, mas importante do que o alimento para o corpo, sem ela verdadeiramente somos facilmente vencidos (Mt 4.4).
O objetivo dessa postagem é que os leitores sejam despertados para buscarem ao Senhor mais e mais pois ele nos oferece essa ARMADURA para que vençamos e alcancemos a salvação. Vivemos dias de trevas e de relativização da verdade, dias de verdadeira batalha onde necessitamos lutar diariamente, incansavelmente par alcançar a vitória chegando ao final de nossa missão sem tombarmos diante do inimigo. Todas as palavras aqui escritas podem ser resumidas em uma única mensagem: Sem armadura você morre.


"Ninguém que milita se embaraça com negócios desta vida, a fim de agradar àquele que o alistou para a guerra." (II Timóteo 2 : 4)



Em Cristo,



João Paulo.

sexta-feira, 19 de setembro de 2008

10º ANIVERSÁRIO DEPTO INFANTIL E DO CONJUNTO HARPA DE DAVI

O texto escolhido como chave para a festividade das crianças está em Lucas 1.66 e a indagação,
Quem será, pois, este menino ?, fazia referência ao menino João Batista, que era o maior dos que haviam nascido de mulher (Mt 11 : 11), e veio a tornar-se aquele que preparou o caminho para o Salvador ( MT 3.1-3), não tinha compromisso com o governo humano e suas atitudes que contrariavam a vontade do Deus de Israel; João morreu decapitado por não conformar-se com o pecado de Herodes, antes, pregava que transgredia o rei, a lei do Deus vivo.
Tornou-se o menino de Zacarias um grande homem de Deus e é isso que queremos para nossas crianças, que sejam compromissadas com a verdade Bíblica e com aquele anunciado por João Batista, aquele de quem o profeta não era digno de desatar-lhe as sandálias: Jesus, o Cristo.
Deus abençoe nossas crianças.


Participe conosco através do endereço http://www.adca.org.br/ , assista nossos cultos on line.


João Paulo.

quarta-feira, 17 de setembro de 2008

O INFERNO (2).

Pormenor d'O Juízo Final, Fresco da Capela SistinaMichelangelo



Vamos pensar um pouco mais no que se refere a palavra inferno, um irmão postou um comentário lembrando que há confusão quanto ao conceito dos cristãos acerca do dito lugar e é claro que não é a presente postagem que vai sanar todas as dúvidas e questionamentos daqueles que lerem seu conteúdo mas, com certeza, irá despertá-los para uma busca, através do estudo da palavra de Deus, das respostas às suas indagações.

A Bíblia que utilizamos na língua portuguesa não traduz exatamente as palavras usadas no original quando se refere ao inferno e em alguns casos ainda traduz o lugar da almas por sepultura.
No antigo testamento a palavra para inferno é Seol, na forma hebraica e , no novo testamento, Hades para a forma grega, lugar de repouso para as almas , lá estavam tanto as almas dos justos como as dos ímpios, separadas por um espaço intransponível, de um lado as almas dos santos no Seio de Abraão, no outro as almas dos que morreram sem aceitar em seu coração o Deus Eterno. A Passagem bíblica de Lucas 16.19-31 relata um fato em que morreu um justo e um rico injusto, o destino do justo, Lázaro, foi o Seio de Abraão, o destino do rico foi um lugar de tormento, ambos estavam no Seol ou Hades. E o que faziam ali ? Esperavam, e todos os que morreram injustos estão nessa espera, o dia do Juízo Final para o julgamento, os santos aguardavam a ressurreição apara o DIA DO SENHOR até que Jesus os retirou dali porém, os ímpios, ficarão em tormentos até “O Trono Branco. Este é o último grande julgamento, o Juízo Final, para condenar todos aqueles cujos nomes não estiverem inscritos no livro da vida do Cordeiro (Ap 20.5-11; At 17.31; Rm 2.12-16). É nesse último grande juízo que o Justo Juiz dirá aos falsos obreiros “Nunca vos conheci” (Mt 7.23). Alguns teólogos pensam que aqui o Senhor se referiu aos não-eleitos, mas o termo grego ginõskõ denota que Ele nunca aprovou (cf. o uso do termo grego com esse sentido em Rm 7.15), reconheceu ou deu crédito ao trabalho dos obreiros que não fazem a sua vontade. O Senhor só tem relacionamento aprovador com quem o ama, o serve e persevera em segui-lo (Gn 18.19; Sl 1.6; Jo 10.14,27; 1 Co 8.3; Na 1.7; Gl 4.9; 2 Pe 2.20-22; Ap 3.11).” [1]

Em seu livro, “O Calendário da Profecia”, o Pastor Antônio Gilberto esclarece-nos um pouco mais sobre o inferno propriamente dito: “o inferno eterno como destino final dos ímpios é o chamado Lago de Fogo e Enxofre, mencionado em Apocalipse 20.10,14. O Hades é apenas um inferno-prisão onde os ímpios permanecem entre a morte e a ressurreição deles. A ressurreição dos ímpios acontecerá por ocasião do Juízo do Grande Trono Branco, após o reino milenar de Cristo (Ap 20.7,11-15)” [2]

Entendemos que após a ressurreição de Jesus Ele tenha levado aos céus os santos que estavam no Seio de Abraão, fazendo assim com que os salvos antes do advento de Cristo estejam no paraíso, entende-se isso a partir do texto de Mt 16.18 quando Jesus disse que as portas do Hades não prevaleceriam contra a Igreja, segundo o Pr Antônio Gilberto o texto indica futuridade em relação à ocasião que o disse Jesus, o Mestre também disse ao ladrão da cruz que ele estaria no Paraíso naquele mesmo dia junto ao Salvador, Efésios 4.8,9 também reforça essa idéia de que o Senhor retirou do Hades os justos. Assim, todos os que morrem ou morreram em Cristo, ou os justos do AT, estão no paraíso que está nos céus e de lá sairão para ressurreição quando Jesus voltar à Terra para arrebatar sua igreja: “Porque o mesmo Senhor descerá do céu com alarido, e com voz de arcanjo, e com a trombeta de Deus; e os que morreram em Cristo ressuscitarão primeiro. Depois nós, os que ficarmos vivos, seremos arrebatados juntamente com eles nas nuvens, a encontrar o Senhor nos ares, e assim estaremos sempre com o Senhor.” I Ts 4.16,17
Os ímpios que morreram, antes ou não de Cristo, estão no mesmo lugar, no Hades sendo reservados para o juízo, assim é também para todos que morrem sem aceitar a Salvação oferecida em Jesus (Ap 20.13-15); o profeta Ezequiel também falou sobre os injustos que se encontram no Hades, leia Ez 32.17-32.

No lugar de tormento e dores , Hades, certamente há um incessante terror, a Bíblia fala de fogo: "E, se a tua mão te escandalizar, corta-a; melhor é para ti entrares na vida aleijado do que, tendo duas mãos, ires para o inferno, para o fogo que nunca se apaga," (Marcos 9 : 43), também fala choro e trevas: "Lançai, pois, o servo inútil nas trevas exteriores; ali haverá pranto e ranger de dentes." (Mateus 25 : 30), é difícil às vezes compreender que em um lugar ao mesmo tempo há fogo e trevas, escuridão, talvez as palavras foram empregads em sentido figurado, de fato não sabemos ao certo qual o grau de sofrimento e terrores há para os que estão no lugar de tormento e tão pouco para os que serão lançados no lago de fogo e enxofre, o inferno.
Ainda que as dores que existam sejam as mais temíveis pelo ser humano, ainda que possam causar-nos arrepio e levar-nos a tentar quantificar esse sofrimento, com certeza não será ele maior do que o grande tormento que há para os que morreram e morrem sem salvação: a impossibilidade de se voltarem para Deus, a inexistência da presença do Senhor, esse sim é o maior tormento a que o homem pode ser submetido. Se o gozo que teremos no céu, a sua essência é a eterna presença de Deus, se ansiosos estamos por não mais pecar e , assim, não mais apartarmos-nos da presença do Senhor, então, o oposto a isso, a eterna separação do Senhor, é o maior tormento que haverá no inferno, da mesma forma que a ausência de dor, de sofrimento, da necessidade de muito trabalho são secundários comparados ao gozo ininterrupto da presença que teremos na presença do Senhor do céu em contemplá-lo face a face e estar com com Ele par sempre, da mesma forma qualquer outro sofrimento presente no castigo eterno são de menor relevância comparados à não possibilidade de obter a salvação em Deus, a certeza de que nunca mais se terá a oportunidade de se voltar para Deus é o maior terror daquel lugar; o rico relatado em Lucas não queria que seus entes queridos fossem para aquele lugar sem volta, sem gozo, sem paz : “E disse ele: Rogo-te, pois, ó pai, que o mandes à casa de meu pai, pois tenho cinco irmãos; para que lhes dê testemunho, a fim de que não venham também para este lugar de tormento.” Lc 16.27,28 , o rico sabia que ainda oportunidade de seus irmãos se arrependerem e voltarem-se para Deus.
Deus oferece ao homem diariamente o seu amor revelado em Cristo, Deus não tem prazer na morte do ímpio e não quer que ninguém se perca (Jo 3.16), por isso enviou-nos Jesus, basta confessar Seu nome, aceitá-Lo no coração, buscá-Lo com todas as forças e perseverar até o fim: "Mas aquele que perseverar até ao fim será salvo." (Mateus 24 : 13).
Que o Senhor nos ajude a premanecermos em Seu caminho e anunciar a salvação oferecida em Seu Filho a toda a humanidade.

"E acontecerá que todo aquele que invocar o nome do Senhor será salvo." (Atos 2 : 21)



Referências Bibliográficas:

01. Zibordi, Ciro . QUAIS SÃO SO JULGAMENTOS MENCIONADOS NA BÍBLIA?. Blog do Ciro
02. Gilberto, Antônio. O CALENDÁRIO DA PROFECIA. Rio de Janeiro: CPAD, 2007.


Em Cristo,

João Paulo

quarta-feira, 10 de setembro de 2008

O INFERNO (1)



Uma das mais atacadas doutrinas do Cristianismo pelos ateus é a do Inferno, segundo alguns ateístas um Deus amoroso não poderia lançar o homem a quem criou à sua imagem em um lugar tão horrendo e temido, não seria o Criador tão malévolo a ponto de cometer tal coisa, dizem eles.
No que diz respeito à apologética, em defender racionalmente a doutrina bíblica acerca do inferno, não pretendo estender o assunto aqui mas, lembremos-nos do seguinte:
É certo que Deus em seu infinito amor nunca seria injusto a ponto de lançar alguém em lugar de trevas sem que essa atitude seja moralmente correta, Deus mesmo disse que não tem prazer na morte do ímpio - "Dize-lhes: Vivo eu, diz o Senhor DEUS, que não tenho prazer na morte do ímpio, mas em que o ímpio se converta do seu caminho, e viva. Convertei-vos, convertei-vos dos vossos maus caminhos; pois, por que razão morrereis, ó casa de Israel?" (Ezequiel 33 : 11)-, isso, porque o homem que morre sem confessar o Senhor certamente não estará com Ele na eternidade, a atitude de Deus em lançar o homem no lugar de perdição eterna é amparada na opção do próprio homem que não optou por seguir o Criador, antes, o abandonou não dando ouvidos aos mensageiros do Senhor e a todas as coisas que apontavam para o Deus onipotente, sendo assim, são indesculpáveis conforme mostra a maior carta de Paulo em seu primeiro capítulo:
“Porquanto o que de Deus se pode conhecer neles se manifesta, porque Deus lho manifestou.
Porque as suas coisas invisíveis, desde a criação do mundo, tanto o seu eterno poder, como a sua divindade, se entendem, e claramente se vêem pelas coisas que estão criadas, para que eles fiquem INDESCULPÁVEIS;
Porquanto, tendo conhecido a Deus, não o glorificaram como Deus, nem lhe deram graças, antes em seus discursos se desvaneceram, e o seu coração insensato se obscureceu.
Dizendo-se sábios, tornaram-se loucos.
E mudaram a glória do Deus incorruptível em semelhança da imagem de homem corruptível, e de aves, e de quadrúpedes, e de répteis.
Por isso também Deus os entregou às concupiscências de seus corações, à imundícia, para desonrarem seus corpos entre si;
Pois mudaram a verdade de Deus em mentira, e honraram e serviram mais a criatura do que o Criador, que é bendito eternamente. Amém.
Por isso Deus os abandonou às paixões infames. Porque até as suas mulheres mudaram o uso natural, no contrário à natureza.
E, semelhantemente, também os homens, deixando o uso natural da mulher, se inflamaram em sua sensualidade uns para com os outros, homens com homens, cometendo torpeza e recebendo em si mesmos a recompensa que convinha ao seu erro.
E, como eles não se importaram de ter conhecimento de Deus, assim Deus os entregou a um sentimento perverso, para fazerem coisas que não convêm
Estando cheios de toda a iniqüidade, prostituição, malícia, avareza, maldade; cheios de inveja, homicídio, contenda, engano, malignidade;
Sendo murmuradores, detratores, aborrecedores de Deus, injuriadores, soberbos, presunçosos, inventores de males, desobedientes aos pais e às mães;
Néscios, infiéis nos contratos, sem afeição natural, irreconciliáveis, sem misericórdia;
Os quais, conhecendo a justiça de Deus (que são dignos de morte os que tais coisas praticam), não somente as fazem, mas também consentem aos que as fazem.” Rm 1.20-32


Segundo a palavra de Deus todos podem ter conhecimento do altíssimo pois a criação aponta de forma gritante para o Senhor, Augustinho de Hipona relata que na sua busca por Deus perguntou às estrelas, às nuvens, ao céu, ao mar e ao sol se algum deles era Deus e, todos lhe disseram: não somos seu Deus mas foi Ele quem nos criou. A grandeza daquilo que o Senhor formou aponta para Ele, por isso, conforme disse Paulo, são indesculpáveis todos os seres humanos diante do Senhor se acaso alegarem que nunca tiveram conhecido Deus.
Mas o objetivo desta postagem é pensar acerca do inferno propriamente dito. Parece estranho esse pensamento, mas ele nos levará a glorificar o Senhor. Contudo há dúvidas em nossas mentes quanto ao que encontremos no paraíso e ao que muitos encontrarão no inferno, e é isso que gostaria de refletir um pouco.
Só um Deus justo daria ao homem, que desprezou seu Criador durante todos os dias sua existência, o inferno, lugar onde aqueles que desprezam o Senhor não mais ouviram falar do mesmo, não haverá ali nenhum evangelista pregando o Reino de Deus, pois este já não mais será possível de ser alcançado.
Deus não criou este lugar para o homem, -"Então dirá também aos que estiverem à sua esquerda: Apartai-vos de mim, malditos, para o fogo eterno, preparado para o diabo e seus anjos;" (Mateus 25 : 41)- o lugar separado por Deus para sua criação era o Jardim do Éden, de onde não queria o Senhor que o homem saísse mas, o pecado, o erro dos primeiros seres humanos criados por Deus fez com que fossem lançados fora daquele lugar e não mais eternos, consequentemente nós também recebemos essa sentença, mas Deus, em seu infinito amor proveu um meio para que retornássemos à sua presença: Jesus,"Porque há um só Deus, e um só Mediador entre Deus e os homens, Jesus Cristo homem." (I Timóteo 2 : 5).
Tendo em mente que o inferno é um lugar real e reservado inicialmente ao diabo e seus anjos, e que será também ocupado por homens no juízo final, após terem se passado a vinda de Jesus, o arrebatamento da igreja, as bodas do cordeiro, a grande tribulação e o milênio, é que surgi uma questão que até então não ouvira ser debatida: o tormento a que se refere à Palavra de Deus, chamas e trevas, no inferno é realmente literal?
No lugar de tormento, que é o inferno, haverá realmente um pavor como vemos em ilustrações e conforme nós mesmos fantasiamos em nossas mentes?

Veja algumas citações sobre o inferno no novo testamento:

"Portanto, se o teu olho direito te escandalizar, arranca-o e atira-o para longe de ti; pois te é melhor que se perca um dos teus membros do que seja todo o teu corpo lançado no inferno." (Mateus 5 : 29)

"E não temais os que matam o corpo e não podem matar a alma; temei antes aquele que pode fazer perecer no inferno a alma e o corpo." (Mateus 10 : 28)

" E tu, Cafarnaum, que te ergues até aos céus, serás abatida até aos infernos; porque, se em Sodoma tivessem sido feitos os prodígios que em ti se operaram, teria ela permanecido até hoje.
Eu vos digo, porém, que haverá menos rigor para os de Sodoma, no dia do juízo, do que para ti. ( Mateus 11.23;24)

"E no inferno, ergueu os olhos, estando em tormentos, e viu ao longe Abraão, e Lázaro no seu seio." (Lucas 16 : 23)

"E os filhos do reino serão lançados nas trevas exteriores; ali haverá pranto e ranger de dentes." (Mateus 8 : 12)

Será que a pior coisa que há no inferno são as possíveis chamas e densas trevas? O que você acha?



Continua.........


João Paulo

segunda-feira, 1 de setembro de 2008

ALGUMAS CONDIÇÕES.



SE
conj. condicional Exprime condição, hipótese; caso: Se vos esforçardes, aprendereis (caso vos esforceis)

A definição acima é dada à conjunção SE pelo dicionário Michaelis, tal palavrinha, como acima está, leva-nos à idéia de que se cumpra uma condição para alcançar algo, e isso está intrinsecamente ligado ao nosso viver não podendo ser dele retirado, podemos ver alguns exemplos: só conseguiremos nos manter de pé (fisicamente) SE nos alimentarmos, alguém só pode ler SE evidenciar esforços em aprender, no nosso caso, a língua portuguesa, só há possibilidade de acessar a internet se houver um computador.
Sabemos que condições nos são impostas diariamente não como forma arbitrária por alguém mas, naturalmente fazem parte do viver e o simples fato de existir nos impõe condições para a continuidade da vida. Sem condições é absolutamente impossível de existirmos, até nossa existência dependeu de uma condição: SE o Senhor não nos formasse não existiríamos; e se há tantos SE, ou condições, para que possamos viver bem socialmente nos nossos relacionamentos com outros seres humanos e com a natureza, certamente existem não poucas condições para que alcancemos, no plano espiritual, no relacionamento com Deus enquanto vivermos e após a morte, uma vida de bonança e de eterno gozo junto ao nosso criador.
A palavra de Deus expressa e nos mostra condições impostas ao homem desde os tempos mais remotos :SE bem fizeres, não é certo que serás aceito? E se não fizeres bem, o pecado jaz à porta, e sobre ti será o seu desejo, mas sobre ele deves dominar.” Gênesis 4.7, isso foi o que Deus disse a Caim quando este apresentou diante do Senhor sua oferta e não foi aceito.
Em Deuteronômio o Senhor colocara diante do seu povo a opção de escolherem o caminho que deveriam seguir, contudo, havia condições para obterem do Senhor a benção: “Eis que hoje eu ponho diante de vós a bênção e a maldição; A bênção, quando cumprirdes os mandamentos do SENHOR vosso Deus, que hoje vos mando;
Porém a maldição, se não cumprirdes os mandamentos do SENHOR vosso Deus, e vos desviardes do caminho que hoje vos ordeno, para seguirdes outros deuses que não conhecestes.” Dt 11.26-28.
É natural que assim seja, condições impostas por Deus e não pelo homem levam-nos à presença do Senhor e a desfrutar da abundante vida reservada àqueles que Lhe obedecerem, em muitas casos vemos como o homem impõem duras leis e pesos sobre o povo de Deus que lhe impedem de caminhar, de cultuar, de servir ao criador com prazer, com alegria, contudo,o Jugo imposto por Jesus é suave e leve, o modo que encontrou o Senhor para ser justo ao distribuir bênçãos foi tão somente impor as tais condições, aos que obedecerem e se sujeitarem ao Senhor receberão dele a benção, os que escolherem trilhar outro caminho também receberam o fruto de seus atos.
O céu está repleto de dádivas e experiências que o Senhor quer que tenhamos enquanto seres viventes aqui terra, veja por exemplo: Deus queria perdoar o povo de Israel e sará-lo e lher oferecer uma vida abundante mas, para isso queria que seu povo fizesse algo mínimo e lhe impôs o seguinte: "E se o meu povo, que se chama pelo meu nome, se humilhar, e orar, e buscar a minha face e se converter dos seus maus caminhos, então eu ouvirei dos céus, e perdoarei os seus pecados, e sararei a sua terra." (II Crônicas 7 : 14), humilhar-se, orar, busar ao Senhor, abandonar os erros, atitudes simples que deveriam ser características daqueles que invocavam o nome do Deus de Israel, no entando o criador se viu "obrigado" a oferecer algo em troca da obediência ao seu povo para que não perecessem.

Passaram-se tantos anos e o povo de Deus ainda não conseguia servir ao Senhor com dedicação e prazer, ao longo da história do Antigo Testamento vemos Deus estabelecendo parâmetros e condições para que sua criatura O buscasse e se achegasse ao criador, então o Senhor envia Jesus para oferecer ao homem a oportunidade de salvação mas, novamente lá está a condição para se obter a salvação, Deus uma vez mais quer ajudar o homem a manter comunhão com seu Sustentador e agora bastava somente crer no próprio Deus encarnado e seguir seus mandamentos; em vários textos do Novo Testamento vemos Deus se dirigindo ao homem e lhe oferecendo mais do que lhe é justo dar:
Jesus oferece dar ouvidos aos limitados e pecadores homens: "Ora, nós sabemos que Deus não ouve a pecadores; mas, se alguém é temente a Deus, e faz a sua vontade, a esse ouve." (João 9 : 31);
Jesus oferece vida eterna : "Em verdade, em verdade vos digo que, se alguém guardar a minha palavra, nunca verá a morte." (João 8 : 51);
Oferece o caminho para salvação: "Eu sou a porta; se alguém entrar por mim, salvar-se-á, e entrará, e sairá, e achará pastagens." (João 10 : 9);
Dá ao homem a oportunidade de ser honrado pelo soberano, onipotente e inigualável Deus : "Se alguém me serve, siga-me, e onde eu estiver, ali estará também o meu servo. E, se alguém me servir, meu Pai o honrará." (João 12 : 26);
O Deus encarnado oferece amizade, amizade aos mais ingratos e indiferentes dos seres criados por ele :“Vós sereis meus amigos, se fizerdes o que eu vos mando." (João 15 : 14);
O Senhor manifestou seu amor de tão grande maneira que se dispôs a esquecer todos nossos pecados, apagar nosso passado e isso é algo que homem nenhum faz por seu próximo, pelo contrário, repetidamente lança em rosto o erro de outrem, mas Deus nos diz assim : "Assim que, se alguém está em Cristo, nova criatura é; as coisas velhas já passaram; eis que tudo se fez novo." (II Coríntios 5 : 17), "Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados, e nos purificar de toda a injustiça." (I João 1 : 9)
Diante da imensidão do amor de Deus que impôs essas condições para nos abençoar e não para beneficiá-lo, será que estamos dispostos a nos esforçar um pouquinho para honrar o amor do Pai? Ele nunca precisou de nós, nunca foi carente da adoração do homem pois no céu há adoração de incontáveis seres celestiais, Ele sempre será Deus quer o adoremos quer não, Ele só quer ver em nós gratidão e amor por seu sacrifício, as condições são as mínimas possíveis , e isso para alcançar o máximo que o ser humano pode obter: a eterna comunhão com o Altíssimo.
Com certeza o que Deus tem requerido de você é algo que pode lhe oferecer, e isso será para sua felicidade e paz tanto aqui como na eternidade.
Uma última condição, depois de tudo que o Senhor fez Ele ainda quer nos coroar, basta guardarmos sua Palavra e nosso viver, cabe a nós escolhermos o caminho:

"Eis que venho sem demora; guarda o que tens, para que ninguém tome a tua coroa." (Apocalipse 3 : 11)



Joao Paulo

O PÚLPITO PENTECOSTAL (2)

Se por um lado há falta de preparo por parte de muitos pregadores sobre os púlpitos (leia aqui ), de outro há uma tendência em achar que ...