domingo, 20 de novembro de 2016

SACERDOTES TRABALHANDO POR GANÂNCIA, COISAS DOS DIAS DE MIQUEIAS OU DA ATUALIDADE?

FONTE:http://noblat.oglobo.globo.com/cronicas/noticia/2015/05/o-ponto-da-ganancia.html

Nas páginas bíblicas, profetizou Miqueias nos dias dos reis Jotão, Acaz e Ezequias, reis de Judá. Em seus dias, viu o profeta coisas estranhas, absurdas para serem usuais no meio do povo de Deus, os descendentes de Abraão:

"Ouvi, agora, isto, vós cabeças de Jacó, e vós, chefes da casa de Israel, que abominais o juízo, e perverteis tudo o que é direito," (Mq 1.9)

E mais,

"Os seus cabeças dão as sentenças por suborno, os seus sacerdotes ensinam por interesse, e os seus profetas adivinham por dinheiro; e ainda se encostam ao Senhor, dizendo: Não está o Senhor no meio de nós? Nenhum mal nos sobrevirá." (v. 11)

As denúncias de Miqueias não eram contra ímpios, povos que desde sempre tiveram por costume a idolatria e a prática de abominação aos olhos Senhor. Não. O povo objeto da denúncia profética era o povo de Deus, seu escolhido.

Pois bem, não é novidade que no Antigo Testamento o povo de Israel viveu altos e baixos em sua vida espiritual e moral. Talvez, o mais notório livro que trata do assunto seja o de Juízes, no qual a tônica que demonstra o comportamento povo é o fato de o escritor ter registrado, por mais de uma vez, que dentro o povo "cada um fazia o que achava mais reto".

Passaram-se muitos séculos, chegamos ao tempo da Graça, nos dias da Igreja cristã. Hoje, todos têm acesso ao Texto Sagrado [digo no Brasil e em boa parte do mundo], o que deveria ter como implicação o exame bíblico e a repulsa daquilo que com as Escrituras não é compatível (At 17.11). Infelizmente não é assim, pois muitos incautos e outros relaxados com o viver cristão não atentam para a advertência de Miqueias e sua aplicação para os dias de hoje. Ou seja, não veem que há aqueles que ensinam por interesse e outros profetizam por dinheiro. Outra classe de pessoas é a dos que ouvindo, sabendo e conhecendo não denunciam, mas compactuam.

Embora em regra o homem esteja inclinado a agir de forma a preservar sua vida, seus privilégios, seu status e não se levantar contra o que pode contra ele se voltar, Miqueias não agiu assim, mas abriu sua boca em tempos de crise e denunciou a opressão sobre os mais pobres e a falsa religiosidade dos líderes de Israel.

Estou convencido que o contexto de Miqueias é o mesmo da igreja brasileira. Sim! Pois embora haja muitos que por devoção santa sirvam ao Senhor na sua simplicidade e pureza de coração, outros, sabendo disto, usam da ocasião em benefício próprio. Daí, noticiar-se que um pregador estabelece tantos requisitos para "pregar a Palavra de Deus" em uma igreja e que seria mais fácil contratar uma estrela global a trazê-la em um culto; que um cantor fixa um cachê tão alto ("uma oferta de amor"), de modo que a cada cântico vai embora um mê$ de trabalho de alguns irmãos.

Miqueias tinha consciência do que estava errado, pois conhecia a vontade do  Senhor, Sua Palavra. Portanto, em nossos dias, aos que consentem que obreiros interesseiros roubem o povo de Deus, aos que participam e ainda repartem o "lucro" da lã, saibam que o Senhor está atento e a tudo vê. Os líderes gananciosos nos dias de Miqueias pensavam que ia tudo bem, pois nada de mal lhes ocorria (v. 11); mas estão enganados, pois a opressão e os bastidores de suas vidas religiosas estão descobertos perante o Senhor, o qual retribuirá caso não se arrependam.

Numa palavra apostólica de advertência, penso que é adequado aqui um texto do Novo Testamento, conselhos de Pedro aos que, como ele fez, cuidam do rebanho do Senhor:

"Pastoreai o rebanho de Deus que há entre vós, não por constrangimento, mas espontaneamente, como Deus quer; nem por sórdida ganância, mas de boa vontade; nem como dominadores dos que vos foram confiados, antes, tornando-vos modelos do rebanho."
(1 Pe 5.2,3)

O PÚLPITO PENTECOSTAL (2)

Se por um lado há falta de preparo por parte de muitos pregadores sobre os púlpitos (leia aqui ), de outro há uma tendência em achar que ...