quarta-feira, 23 de agosto de 2017

O PÚLPITO PENTECOSTAL (2)


Se por um lado há falta de preparo por parte de muitos pregadores sobre os púlpitos (leia aqui), de outro há uma tendência em achar que o que a igreja precisa mais  é de homens cheios de informações para derramá-las sobre seus ouvintes. Nada mais equivocado!

Décadas atrás a maioria dos pregadores pentecostais era gente humilde, de vocabulário limitado e "pouca cultura". No entanto, não faltava a eles o ardor, a fé, a dedicação a Deus. Criam piamente nas narrativas bíblicas e vivenciavam milagres. Fato é que a limitação quanto ao significado real de alguns textos bíblicos criava "doutrinas" estranhas, embora pudesse haver sinceridade mesmo na interpretação equivocada (o que não afasta o erro). Hoje aberrações teológicas são produzidas pelo "excesso de conhecimento" e "habilidades hermenêuticas".

Não ocupamos mais os extremos, mas temos nos púlpitos das igrejas evangélicas pentecostais de tudo que se possa imaginar: pentecostal calvinista (mesmo sem saber o que isso significa repete o que os ícones reformados apresentam pela internet); pentecostal arminiano (defende pontos expostos pelo arminianismo, mas não sabe, em alguns casos, que o faz); pentecostal neopentecostal (adepto do sincretismo que dá ibope em outros arrais ditos cristãos), e por aí vai, não há um padrão, não há equilíbrio de forma geral, mais muita confusão.

Um conselho que penso ser útil seria observar o que foi posto pelos apóstolos na instituição dos diáconos, em At 6.4. Dada a procedência divina do Texto Sagrado é necessário achegar-se a ele tendo em mente tratar-se justamente disto, a saber: de algo que foi dado pelo próprio Deus. Isto deveria imprimir humildade e temor no leitor, muito mais ao se colocar como arauto a fim de anunciar aos ouvintes o que Deus estaria dizendo por meio do Texto. Quanto ao escrito de At. 6.4 os apóstolos decidiram que deveria haver:

1) consagração à oração;
2) consagração ao ministério da palavra.

Em tempos de confusão é muito mais urgente achegar-se ao Texto Bíblico somente depois da oração; oração sincera; oração como reconhecimento da limitação humana ante algo dado pelo Senhor dos céus e da terra. Os que desejam ser fieis em sua missão de anunciadores do Conselho  Divino estarão dispostos a observar este modelo, já os negligentes e que fazem do povo comércio continuarão em seu exercício "hermenêutico lucrativo", pois o pensar que a vontade de Deus pode confrontar seus interesses faz, de plano, que descartem buscar a vontade deste.




Nenhum comentário:

Postar um comentário

O PÚLPITO PENTECOSTAL (2)

Se por um lado há falta de preparo por parte de muitos pregadores sobre os púlpitos (leia aqui ), de outro há uma tendência em achar que ...