quinta-feira, 4 de agosto de 2016

LIÇÃO 06: "A ÉTICA CRISTÃ E O BULLYING" - LIÇÕES BÍBLICAS JUVENIS 3º TRIMESTRE DE 2016

fonte: http://climatologiageografica.com.br/bullying-na-escola-dobra-chance-de-depressao-na-vida-adulta/

Na lição do próximo domingo, os Juvenis estudarão sobre bulluyng. O assunto é bem próximo dos alunos, os quais, com certeza já foram vítimas ou agressores. Às vezes a prática é "normal" no meio deles, corriqueira mesmo até no âmbito da igreja.

É de suma importância conscientizar os alunos sobre a gravidade do problema e seus reflexos danosos às vítimas.

O programa Fantástico, da Rede Globo, veiculou um quadro no programa, no último mês de Dezembro, intitulado "Eu amo quem sou". O quadro retratava justamente a prática do bullying nas escolas, as consequências sofridas pelas vítimas, a ação dos pais e como tratar a questão que, em níveis elevados, pode gerar gravíssimos problemas. O link é este: http://g1.globo.com/fantastico/quadros/eu-amo-quem-sou/


Veja dois exemplos da série nos vídeos abaixo:




A questão do ponto de vista legal:

O governo brasileiro brasileiro, na tentativa de tratar a questão do ponto de vista legal aprovou a Lei 13185/15 que "Institui o Programa de Combate à Intimidação Sistemática (Bullying)". Transcrevo abaixo o inteiro teor da Lei, a qual pode ser encontrada aqui.

É bom dar ciência a todos (adolescentes, pais e toda a igreja), da existência da Lei, esclarecendo e advertindo.


Presidência da República
Casa Civil
Subchefia para Assuntos Jurídicos
Vigência
Institui o Programa de Combate à Intimidação Sistemática (Bullying).
A PRESIDENTA DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:
Art. 1o  Fica instituído o Programa de Combate à Intimidação Sistemática (Bullying) em todo o território nacional.
§ 1o  No contexto e para os fins desta Lei, considera-se intimidação sistemática (bullying) todo ato de violência física ou psicológica, intencional e repetitivo que ocorre sem motivação evidente, praticado por indivíduo ou grupo, contra uma ou mais pessoas, com o objetivo de intimidá-la ou agredi-la, causando dor e angústia à vítima, em uma relação de desequilíbrio de poder entre as partes envolvidas.
§ 2o  O Programa instituído no caput poderá fundamentar as ações do Ministério da Educação e das Secretarias Estaduais e Municipais de Educação, bem como de outros órgãos, aos quais a matéria diz respeito.
Art. 2o  Caracteriza-se a intimidação sistemática (bullying) quando há violência física ou psicológica em atos de intimidação, humilhação ou discriminação e, ainda:
I - ataques físicos;
II - insultos pessoais;
III - comentários sistemáticos e apelidos pejorativos;
IV - ameaças por quaisquer meios;
V - grafites depreciativos;
VI - expressões preconceituosas;
VII - isolamento social consciente e premeditado;
VIII - pilhérias.
Parágrafo único.  Há intimidação sistemática na rede mundial de computadores (cyberbullying), quando se usarem os instrumentos que lhe são próprios para depreciar, incitar a violência, adulterar fotos e dados pessoais com o intuito de criar meios de constrangimento psicossocial.
Art. 3o  A intimidação sistemática (bullying) pode ser classificada, conforme as ações praticadas, como:
I - verbal: insultar, xingar e apelidar pejorativamente;
II - moral: difamar, caluniar, disseminar rumores;
III - sexual: assediar, induzir e/ou abusar;
IV - social: ignorar, isolar e excluir;
V - psicológica: perseguir, amedrontar, aterrorizar, intimidar, dominar, manipular, chantagear e infernizar;
VI - físico: socar, chutar, bater;
VII - material: furtar, roubar, destruir pertences de outrem;
VIII - virtual: depreciar, enviar mensagens intrusivas da intimidade, enviar ou adulterar fotos e dados pessoais que resultem em sofrimento ou com o intuito de criar meios de constrangimento psicológico e social.
Art. 4o  Constituem objetivos do Programa referido no caput do art. 1o:
I - prevenir e combater a prática da intimidação sistemática (bullying) em toda a sociedade;
II - capacitar docentes e equipes pedagógicas para a implementação das ações de discussão, prevenção, orientação e solução do problema;
III - implementar e disseminar campanhas de educação, conscientização e informação;
IV - instituir práticas de conduta e orientação de pais, familiares e responsáveis diante da identificação de vítimas e agressores;
V - dar assistência psicológica, social e jurídica às vítimas e aos agressores;
VI - integrar os meios de comunicação de massa com as escolas e a sociedade, como forma de identificação e conscientização do problema e forma de preveni-lo e combatê-lo;
VII - promover a cidadania, a capacidade empática e o respeito a terceiros, nos marcos de uma cultura de paz e tolerância mútua;
VIII - evitar, tanto quanto possível, a punição dos agressores, privilegiando mecanismos e instrumentos alternativos que promovam a efetiva responsabilização e a mudança de comportamento hostil;
IX - promover medidas de conscientização, prevenção e combate a todos os tipos de violência, com ênfase nas práticas recorrentes de intimidação sistemática (bullying), ou constrangimento físico e psicológico, cometidas por alunos, professores e outros profissionais integrantes de escola e de comunidade escolar.
Art. 5o  É dever do estabelecimento de ensino, dos clubes e das agremiações recreativas assegurar medidas de conscientização, prevenção, diagnose e combate à violência e à intimidação sistemática (bullying).
Art. 6o  Serão produzidos e publicados relatórios bimestrais das ocorrências de intimidação sistemática (bullying) nos Estados e Municípios para planejamento das ações.
Art. 7o  Os entes federados poderão firmar convênios e estabelecer parcerias para a implementação e a correta execução dos objetivos e diretrizes do Programa instituído por esta Lei.
Art. 8o  Esta Lei entra em vigor após decorridos 90 (noventa) dias da data de sua publicação oficial.
Brasília,  6  de novembro de 2015; 194o da Independência e 127o da República.
DILMA ROUSSEFF
Luiz Cláudio Costa
Nilma Lino Gomes
  

Explore bem a questão com os alunos, mostre a eles que essa prática que para muitos parecer ser inofensiva na verdade é séria, viola o novo mandamento dado por Jesus:

"Novo mandamento vos dou: que vos ameis uns aos outros; assim como eu vos amei ,que também vos ameis uns aos outros." (Jo 13.34)

O cumprimento de tal mandamento tem grandes consequências: "Nisto conhecerão todos que sois meus discípulos: se tiverdes amor uns aos outros." (v. 35)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

O PÚLPITO PENTECOSTAL (2)

Se por um lado há falta de preparo por parte de muitos pregadores sobre os púlpitos (leia aqui ), de outro há uma tendência em achar que ...