domingo, 31 de outubro de 2010

"Padres e bispos da igreja estão longe de terem a influência que os pastores evangélicos têm"



A afirmçaõ do cientista político evidencia o porquê do interesse tão grande de Dilma e Serra no voto dos evangélicos, afinal representamos uma grande fatia do eleitorado. Em muitos cantos do Brasil pastores induziram os fiéis a votarem por interesse pólitco, outros incentivaram suas ovelhas a votarem baseados na moral e ética cristã que se viu em perigo em muitas propostas, outros apenas optaram por dizer ao seu público para que orassem e votassem de forma sábia. Resta saber o limite entre uma afirmação para ganhar votos e o que de fará o que canditado eleito.

Nesta eleição vimos o quanto o povo evangélico tem força, se bem organizado e focado nos propósitos cristãos... de fato olhariam para nós com outros olhos.

Abaixo um trecho da reportagem do jornal O GLOBO que trata sobre o tema:

"De acordo com levantamento do cientista político Antonio Lavareda, o segmento evangélico representa 25% do eleitorado brasileiro - cerca de 34 milhões de pessoas. E, na avaliação do pesquisador, a influência dos líderes religiosos sobre os fiéis é maior no caso dos evangélicos.

- Pesquisas têm apontado que o contingente evangélico tem maior capacidade de ser influenciado pelos seus bispos e pastores do que o contingente dos católicos - diz Lavareda.


- Temos 62% do eleitorado se dizendo católico, mas padres e bispos da igreja estão longe de terem a influência que os pastores evangélicos têm - compara o cientista político, que é especialista no estudo de processos eleitorais e foi consultor de comunicação nas candidaturas presidenciais de Fernando Henrique Cardoso.

Lavareda diz que a sociedade brasileira é eminentemente religiosa e que o circuito das igrejas sempre foi um instrumento fundamental nas agendas de campanhas.


- Todos os candidatos precisam interagir com as igrejas, frequentar os templos, ser apresentados por padres e pastores aos eleitores. É um ingrediente típico na disputa - afirma."

4 comentários:

  1. Gostei dessa informação, obrigada por compartilhar! fica com Deus

    ResponderExcluir
  2. Discordo com o Título e conteúdo da matéria, e acrescentaria: Papa, Bispos, Padre católicos, e todas as denominação dada aos Pastores Evangélicos, deveriam cuidar dos seus rebanhos e não se infiltrassem na Disputa Política, pois suas opiniões são diversificada, e todo ser humano é livre para tomar decisão quanto a religião a seguir e quanto ao Político que merece seu voto.

    ResponderExcluir
  3. Caro Jaime,

    Obrigado por comentar.
    Não penso que os líderes religiosos deveriam manterem-se longe dos assuntos políticos, até porque se de fato devessem ficar longe deveriam também não votar, mas a questão é que os Cristãos, como vemos nesse caso específico, devem ter seu padrão de vida regido pela BÍBLIA SAGRADA e assim, como vivemos em um país democrático, todos temos a liberdade de expressar nossas convicções bíblicas, agrade ou não partidos políticos.
    Os mais variados grupos sociais manifestam suas opiniões acerca de assuntos políticos e buscam defender suas ideias, os gays o fazem por exemplo, acontece que os cristãos incomodam pelo fato de serem muitos, são numerosos e podem decidir uma eleição.

    Sou convicto que os líderes devem instruir seus liderados, no caso em tela, de acordo com a BÍBLIA, pois os resultados da escolha cairão sobre nós mesmos, mas a decisão é claro que deve ficar sob a responsabilidade do eleitor.


    Em Cristo,

    João Paulo.

    ResponderExcluir
  4. Tia Hellen Gleici,

    Obrigado pela participação.

    Abraço.

    ResponderExcluir

O PÚLPITO PENTECOSTAL (2)

Se por um lado há falta de preparo por parte de muitos pregadores sobre os púlpitos (leia aqui ), de outro há uma tendência em achar que ...