quarta-feira, 27 de outubro de 2010

Um deles, 100%, o outro não.

Em meio à discussão acerca da pessoa da Cristo, ocorre-me um episódio vivenciado por um integrante da liderança de departamento de jovens e adolescentes no interior do país.
Passei alguns anos de minha curta existência assentado em um banco universitário estudando números, diariamente, e aqui vejo uma oportunidade para aplicar a os "100%" que está em debate. Sobre a discussão a que me refiro não vou adentrar, até porque os artigos que estão disponíveis já consumirão um bom tempo de quem realmente quer entender a questão. Mas vamos ao acontecido no interior do Brasil:

Um jovem que participava da liderança de um departamento de jovens e adolescentes procurava um pregador para a festividade do ano, ao ligar para um dos ministros que decidira convidar, o mesmo disse que não poderia atender naquela data, mas indicara outro servo. Ele ligou então para o pastor indicado, que prontamente atendeu o pedido e disse que atenderia a agenda.
Dado o dia do evento o pastor chegou à Igreja, foi recebido com alegria, e ansiosos estavam os que o convidaram para o evento, desejando que a primeira ministração ocorresse; e assim se foi a noite de uma sexta feira de 2008. Na manhã de sábado, era feriado, a igreja de pouco mais de 400 membros não estava lotada, mas havia muitos jovens no local; ao chegar o momento do pastor ministrar a Palavra de Deus ele o fez com graça, passaram-se mais de 60 minutos e os ouvintes não se cansaram, muitos menos o ministro, que sugeriu que todos voltassem após a refeição, em torno de 14:00.
Como o pregador sugeriu assim aconteceu, às 14:00 estava lá o jovem pastor ensinando agora a um número menor que o que se encontrava pela manhã, eram, talvez, apenas uns 30 jovens e poucos casados, mas o ensinador não olhou para isso, antes entregou-se à Deus na oportunidade que teve e foi instrumento do Senhor naquela tarde também.
Na manhã de Domingo todos esperavam a ultima participação do pregador, disseram: passaremos a oportunidade a ele minutos antes, para que possamos ouvi-lo durante mais tempo .Naquela manhã havia centenas de pessoas no templo; o pregador iniciou a exposição das escrituras, e com poder e graça expôs o conselho de Deus, com intrepidez.Ouviu-se naquela manhã a voz do Senhor de forma clara.
Todos lamentaram o fim da participação daquele mestre, ele se foi, mas o exemplo ficou. Não havia o que reclamar naqueles dias, apesar de o servo ser pecador como todos os homens, podia-se dizer: 100%, foi ótimo.

Em 2009 o mesmo líder de departamento insiste uma vez mais com o primeiro pregador que havia desejado convidar em 2008, aquele que indicara o jovem pastor que foi usado poderosamente pelo Senhor; agora sim conseguira agendar o pregador para o evento anual, disse ele consigo: graças a Deus, certamente Deus nos abençoará como dantes. O pregador agendado era conhecidíssimo, muito visitado na web, bem mais que o de 2008.
Aproximou-se a data do evento e alguns contratempos de agenda e voos ameaçavam impedir a vinda do pregador, mas o jovem líder de departamento insistia com a ideia até que conseguira, após ter perdido uma viagem pela TAM que sofrera alteração em seus planos de voos, conseguiu a viagem do pregador através da GOL. Assim, estava tudo pronto para a participação do pregador muito conhecido por seus artigos que arrastavam muitos comentários e atraíam a atenção de muitos.

Chegada a data do evento o pregador chegou ao local do evento; a primeira noite houve um culto de abertura e na mahã seguinte o ministro convidado teria oportunidade de pregar a Palavra. Na manhã de sábado foi-lhe cedida a oportunidade por volta de 10:30 da manhã, ele ensinou de acordo com a Palavra de Deus, seguindo um roteiro que havia enviado antes em uma apostila que nortearia as preleções, assim aconteceu na manhã do primeiro dia. Como havia ocorrido em 2008 o departamento aniversariante pensou que poderiam fazer um momento na tarde de sábado onde teriam perguntas dos jovens e adolescentes ao pregador, por responder questões um tanto polêmicas, muitas de forma bem esclarecedora, muitos jovens queriam ouvi-lo. Chegada a tarde eram poucos os que estavam no templo; igreja de tamanho razoável, mas com apenas uns 20 a 30 pessoas. Como no ano anterior o pregador jovem fez questão, esforçou-se e mostrou boa vontade para estar um pouco mais com uns poucos jovens, pensaram que seria igual, mas... ao chegar ao templo e ver que eram poucas as pessoas o preletor não sentiu-se bem, e demonstrou isso claramente ao ler um trecho da Bíblia, continuar a palestra que havia iniciado pela manhã, falar uns 5 minutos e encerrar claramente irritado com a situação, talvez pelo pequeno número de pessoas ou outro motivo não declarado. Depois de uma conversa ao pé do ouvido, e insistir para que continuasse a preleção e respondesse às perguntas do público jovem ele consentiu, mas o estrago já era visível aos olhos de todos, pois havia se mostrado irritado diante de muitas pessoas. Muitos ficaram descepcionados, constrangidos; o que o convidou entristecido e envergonhado. Dali em diante não foi a mesma coisa, a empolgação se foi de alguns, e ainda havia a participação de Domingo pela manhã.

Chega Domingo, no horário separado para a preleção o pregador toma o microfone, inicia de onde havia parado no Sábado, continua a apostila. Como houvera o incidente de Sábado a tarde, alguns já não vieram tão entusiasmados.
Em dado momento o celular do preletor toca em meio à preleção, vejam, mais um fato que cooperaria para alguns comentários e observações, pois segundo o preletor muitos erros devem ser evitados pelo pregador, acrescente-se o celular tocar e a exposição ter que ser interrompida.
E assim encerrou-se a participação do pregador.


Esses fatos podem nos fazer pensar um pouco sobre como vemos servos de Deus que estão em evidência. Primeiro, ninguém é ímune a erros; apesar de os dois pastores mencionados serem servos de Deus vimos que se mostraram com diferentes comportamentos diante da missão que tinham de pregar a Palavra de Deus. Fato é que, quem muito cobra uma hora ou outra será cobrado, pois é natural o falhar, bom é que nos comportemos como servos diante de nossos erros, e vigiemos para que não nos vejamos em outro sem que percebamos e nos arrependamos.
O Jovem pastor mostrou-se amante do ensino, não colocou obstáculos para ensinar a Palavra, esforçou-se muito e foi bem visto aos olhos de todos. O outro pastor, apesar de ser muito criterioso, não passaria pelo próprio crivo.
Mas lembre-se, todos os dois são servos do Senhor, mas com certeza um deles faltou nesse dia, e medindo-o nessa ocasião com a medida com que mede, foi achado em falta.

Esse artigo neste pequeno e pouco visitado espaço da grande rede, é apenas para que se faça conhecer de um fato ocorrido, para que os irmãos pensem e orem bem antes de qualquer convite ao pregadores, cantores e tal; que não vejamos como o homem vê, mas como o Senhor, e que também analisemos quem quer que seja com mais cuidado antes de tecer comentários, pois certamente há muitas qualidades, ou não, que são vistas além dos escritos na web.
O Senhor abenço tanto um como o outro, e que cresçam na Graça e conhecimento daquele que nos chamou das trevas para Sua maravilhosa luz.
Os frutos falam muito mais quem somos, e os frutos que vimos foram os relatados acima. Um dos servos foi 100% ( não perfeito, digo, mas irrepreensível aos olhos dos que o viram e ouviram), o outro, não posso usar percentuais exatos, menos de 100%.
Obs. o artigo foi iniciado dia 24/10, e só postado dia 27.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

O PÚLPITO PENTECOSTAL (2)

Se por um lado há falta de preparo por parte de muitos pregadores sobre os púlpitos (leia aqui ), de outro há uma tendência em achar que ...