segunda-feira, 15 de abril de 2013

Praticando o amor com todos



“Não percam tempo se preocupando se vocês 'amam' o próximo - ajam como se amassem. Vão descobrir que, quando se comportam como se amassem alguém, dali a pouco passarão a amá-lo." C.S. Lewis

A citação de Lewis expressa bem como devemos agir em relação ao nosso próximo em obediência ao segundo mandamento de Cristo contido em Mateus 22.39: “... Amarás o teu próximo como a ti mesmo”.

Lendo o livro “Como Se Tornar Um Líder Servidor - Os Princípios de Liderança de O Monge e o Executivo” de James C. Hunter – no qual ele diz que Jesus Cristo é o maior líder de todos os tempos – encontrei essa citação do gênio literário cristão C.S. Lewis e que me levou a refletir sobre as atitudes das pessoas, principalmente daquelas que se dizem cristãs e estão dentro das igrejas.

Claro que todos somos pecadores e em todo momento erramos, fazendo aquilo que não deveríamos fazer e deixando de fazer o que deveríamos fazer (Romanos 7.19), mas não devemos justificar nossas atitudes errôneas para alívio de consciência. Como no caso do nosso tema, algumas pessoas costumam dizer: “não vou ser legal com fulano porque não gosto de fulano e nem gosto de falsidade, então por que eu seria legal com ele?” É comum as pessoas que tem tais atitudes utilizarem a desculpa da falsidade, como se agirem com amor em relação ao desafeto estariam sendo falsas. Isso não é necessariamente verdade (excluindo aqueles que realmente agem com falsidade, como se gostassem, e por trás proferem palavras venenosas), mesmo que você não se dê bem com uma pessoa, não significa que você não possa ser educado com ela e agir como agiria se a amasse. Com a prática, uma hora ou outra, você realmente passará a gostar da pessoa, não é algo impossível de acontecer, muito pelo contrário, é bastante plausível.

Não dá pra ignorar que dentro das igrejas existem grandes divisões, panelas, grupinhos, pessoas que se dizem irmãos em cristo e que não suportam uns aos outros (Colossenses 3.13). E quem dera se fosse em pouca quantidade... Mas não é. É necessária uma conscientização geral dos crentes atuais para que acabem as brigas e dissenções em nosso meio. Isto inclusive já se tornou empecilho para muitos firmarem seus passos no caminho de Deus, pois viram as brigas e separações no meio daqueles que se autodenominam filhos de Deus.

Procuremos praticar o amor, inclusive com aqueles que ainda não conseguimos amar, abrindo mão de nossas vontades e interesses (1 Coríntios 13.5), alcançando o caminho da virtude e cumprindo o segundo grande mandamento de Jesus Cristo. A prática do amor nos fará amar de verdade. Afinal, se realmente somos seguidores de Cristo, busquemos verdadeiramente cumprir seus preceitos, mesmo que não sejam fáceis. Ninguém disse que seria, na verdade o Mestre disse exatamente o contrário. Você verá e descobrirá que amar não é um sentimento, é uma decisão, caso contrário ele não seria uma ordenança de Deus.

Um comentário:

  1. O amor em extinção... depende de cada um de nós compartilhar o amor de Deus por nós ao nosso semelhante!

    ^^

    ResponderExcluir

O PÚLPITO PENTECOSTAL (2)

Se por um lado há falta de preparo por parte de muitos pregadores sobre os púlpitos (leia aqui ), de outro há uma tendência em achar que ...