terça-feira, 31 de maio de 2016

O HOMEM É INDESCULPÁVEL (Breve pensamento de Karl Barth)




"A ira de Deus não se revela irremediavelmente sobre os homens que estão sob seu julgamento, pois eles podem reconhecer e amar seu Juiz, 'Para que não tenham desculpas' quando não vêem e não ouvem, pois acontece com olhos que podem ver e ouvidos que podem ouvir. Indesculpável é sua impiedade porquanto as obras de Deus, 'sensatamente contempladas", falam do seu Poder Eterno e protestam, de antemão, contra a submissão ao conhecido NÃO DEUS, ao qual o Deus verdadeiro é equiparado pelas forças espirituais, materiais e ouras deste mundo." (Carta aos Romanos. Novo Século, p. 55)

sexta-feira, 27 de maio de 2016

A EXCELÊNCIA DO EPISCOPADO

Em sua primeira carta a Timóteo, Paulo, o já experimentado apóstolo, instruindo o jovem pastor afirma-lhe, antes de apresentar os requisitos para escolha de um bispo, que servir a Deus através do episcopado é algo excelente:

"Fiel é a palavra: se alguém aspira ao episcopado, excelente obra almeja." 1 Tm 3.1

Para esclarecer a expressão traduzida como episcopado, vejamos:

"De acordo com o Novo Testamento, os termos 'bispo', 'pastor', e 'presbítero' são sinônimos. A palavra bispo significa 'supervisor', e os presbíteros têm a responsabilidade de supervisionar o trabalho da igreja (At 20:17, 28; 1 Pe 5:1-3). 'Presbítero' é a tradução do termo grego presbutes, que significa 'um ancião'. Paulo usa o termo presbítero em 1 Tm 4:14, referindo-se não a uma denominação, mas ao conjunto de presbíteros da assembleia que ordenaram Timóteo." (WIERSBE, v. 6, 2014)

Portanto, exercer o episcopado é equivalente, nos dias de hoje, a pastorear, a supervisionar, a administrar religiosa e administrativamente uma congregação.

Interessa aqui pensar sobre o que Paulo disse a cerca do ser pastor [bispo] ao jovem Timóteo. O apóstolo dos gentios diz que é coisa excelente, ou, mais precisamente, é obra excelente. Mas já no versículo 2 Paulo inicia o trecho com a expressão: "É necessário, portanto...". Em seguida é exposta uma lista de requisitos para aqueles que desejam ser pastores.

Segundo Shedd em nota de rodapé da Bíblia de Estudo que leva seu nome: "N. Hom. 3.2-7 As qualificações do pastor: 1) Morais: irrepreensível, com autocontrole. 2) Mentais: sábio, apto para ensinar. 3) Pessoais: hospitaleiro, experimentado." (p. 1689)

A figura do pastor nos dias de hoje já não é como há anos atrás. Em tempos remotos ser pastor era sinônimo, na maioria dos casos, de retidão, piedade, seriedade etc. Infelizmente, parece que o título ocupou em nossos dias um lugar de "destaque" no meio dos cristãos e já não reflete mais o supervisor, o superintendente, o dirigente religioso e administrativo descrito pelas Escrituras, o qual com piedade servia de modelo à congregação. Mais grave ainda, muitos são constituídos pastores sem preencher os requisitos bíblicos, são assim, numa afirmação mais ousada, pastores deficientes, dos quais pode-se esperar dificuldades no exercício da obra para a qual não são, biblicamente, capazes.

Entretanto, relembremos que almejar o episcopado, segundo Paulo, é algo excelente, não por poder desfrutar de privilégios que alguém possa pensar receber por causa do título, mas porque é honroso servir ao Senhor e à igreja. Ser obreiro na ceara do mestre deve ser motivo de alegria, pois deve ser um caminho de proximidade com o exemplo do Servo Sofredor, o qual veio para servir, e não ser servido.

Aos que almejam o ministério pelo que a Bíblia diz que ele o é, e vejamos que pode ser caminho espinhoso, apertado, delicado, sacrificial, algo muito bom desejam.

Dê o Senhor à sua igreja mais obreiros, pois grande é a ceara.

O PÚLPITO PENTECOSTAL (2)

Se por um lado há falta de preparo por parte de muitos pregadores sobre os púlpitos (leia aqui ), de outro há uma tendência em achar que ...