terça-feira, 3 de junho de 2008

ONDE ESTÃO OS FRUTOS ?

O capítulo 21 do Evangelho de Mateus descreve, em seus primeiros versículos, a entrada triunfal do Mestre Jesus, em Jerusalém, o Mestre é ovacionado, exaltado e adorado por centenas de pessoas, a multidão grita hosana, talvez alguns choraram e outros em seu espírito se alegravam em pensar que o Cristo os libertaria da jugo romano, certamente estava se cumprindo a profecia acerca daquele que viria, o Messias, ungido de Deus mas, não da forma que os judeus esperavam.
Após entrar em Jerusalém, o Senhor se depara no templo, com algo que lhe incomoda e ele imediatamente põe-se a agir de forma talvez inesperada, o Senhor vira ali cambistas, e tantos outros vendedores e compradores, Jesus então, derrubas as mesas dos comerciantes, os expulsa do templo e diz: "Está escrito: A minha casa será chamada casa de oração; mas vós a tendes convertido em covil de ladrões" (v 13 ). Após colocar em ordem a Casa do Senhor, Jesus opera milagres, cura ali cegos e coxos. Os escribas e fariseus, vendo o que havia feito e as criancinhas que gritavam hosana ao Filho de Davi, indignaram-se.
Jesus sai de Jerusalém e se dirige a Betânia onde passa a noite. Ao amanhecer, o Mestre volta para Jerusalém, no caminho teve fome e, vendo uma figueira, aproxima-se dela para colher algum fruto, não encontrou nada além de folhas, certamente procurou, procurou e somente folhas foram encontradas, então, o Senhor Jesus a amaldiçoa: "Nunca mais nasça fruto de ti! E a figueira secou imediatamente" ( v 19).
A Palavra do Senhor nos ensina algo notável nesse trecho, sabemos que aqueles que gritavam hosana quando o Mestre entrou em Jerusalém, foram também os que gritavam crucifica-o diante de Pilatos quando optaram pela soltura de Barrabás, os que estavam no templo usavam o nome de Deus e a casa de Deus em nome do dinheiro, faziam comércio no lugar destinado a adoração do nome de Deus, os doutores da Lei ao verem os milagres de Jesus e as criancinhas o adorando, simplesmente inquiriram a Jesus, pensavam que os pequeninos falavam de algo que não sabiam, mas não era assim, eles entoavam o perfeito louvor ( v 16 ).
Há algo em comum com esses três grupos de pessoas, aqueles que recepcionavam Jesus não o tinham como Senhor mas o tinham como alguém que lhes supriria a vontade de serem libertos de Roma, por isso o exaltavam, os do templo usavam o nome de Deus para enriquecer-se, lucravam muito às custas do nome de Deus, e os escribas e os sacerdotes, aqueles que examinavam a Lei e deveriam reconhecer que Jesus era o Cristo, queriam repreender os que louvavam ao Senhor. Quando Jesus amaldiçoa a figueira cheia de folhas, podemos concluir que era a mesma situação de Israel, cantavam em nome de Deus, vendiam em seu nome, pregavam e ensinavam mas, tudo era aparência, folhas, muitas folhas.
A história daquele povo nos ensina que na figueira as folhas precediam o fruto, então, se havia folhas, obrigatoriamente deveria haver frutos, e quantos hoje ostentam folhas belas, uma aparência ilusionista de homens de Deus e de piedosos servos. A Palavra do Senhor nos ensina que devemos apresentar bons frutos ( Lc 3:8 ), quem não dá bons frutos tem um triste fim: "E também já está posto o machado à raiz das árvores; toda a árvore, pois, que não dá bom fruto, corta-se e lança-se no fogo." (Lc 3:9).
As palavras de Jesus à figueira fala-nos ainda hoje de forma extraordinária. Onde estão nossos frutos? O que temos para apresentar ao Senhor? Será somente uma bela folhagem, bonita aparência? Os homens nos vêem de longe, Deus chega bem próximo, consegue fazer separação entre juntas e medulas, sua palavra é apta para chegar a divisão da alma e do espírito, ele remove as folhas, olha por detrás delas e procura frutos, isso é o que lhe interessa, aos que não tem frutos, ou os tem e são de má qualidade, mas são belos exteriormente, o Senhor tem uma palavra, uma sentença: "Então dirá também aos que estiverem à sua esquerda: Apartai-vos de mim, malditos, para o fogo eterno, preparado para o diabo e seus anjos;" (Mt 25:41)
Porque ele é a videira e devemos estar nEle, devemos produzir frutos, e bons frutos.


"Eu sou a videira, vós as varas; quem está em mim, e eu nele, esse dá muito fruto; porque sem mim nada podeis fazer." (João 15 : 5)


Em Cristo,


João Paulo

4 comentários:

  1. Depois de uma palavra dessas, só me resta dar frutos ou dar frutos...

    Que possamos estar sempre refletindo e abertos pra receber palavras como essa! Que Deus continue te usando e te abençoando cada dia mais!

    Muri

    ResponderExcluir
  2. Que nós realmente venhamos a dar bons frutos, o Senhor está às portas.

    JP

    ResponderExcluir
  3. Como bem disse Jesus: "Por seus frutos os conhecereis. Porventura colhem-se uvas dos espinheiros, ou figos dos abrolhos?" Mt 7:16.

    O crente é conhecido pelos seus frutos, e não pelos dons espirituais (como muitos pensam erroneamente).

    E o principal de todos os frutos são as almas. Não adianta o crente fazer grandes coisas pela fé se ele não apresentar pessoas que foram alcançadas por Deus pelo seu intermédio.

    Deus abençoe grandemente o nobre irmao.

    Abraços fraternos.

    Anchieta Campos

    ResponderExcluir
  4. Irmão Anchieta,

    Certamente muitos enfatizam a espiritualidade de forma exagerada e esquecem-se do alvo princilpal da igreja: a salvação de almas.
    Vivamos a pensar que o Senhor nos pedirá conta da ordenança registrada em MC 16:15.

    Em Cristo,

    JP

    ResponderExcluir

O PÚLPITO PENTECOSTAL (2)

Se por um lado há falta de preparo por parte de muitos pregadores sobre os púlpitos (leia aqui ), de outro há uma tendência em achar que ...