sábado, 12 de setembro de 2009

A HISTÓRIA DO BUMBA-MEU-BOI.


No Brasil se confunde algumas práticas religiosas com cultura, algumas práticas libertinas com cultura. Um bom exemplo são os pais de santos da Bahia, não são considerados como religiosos pela mídia e suas ações como maneira de divulgar, também, seu credo religioso. Não me oponho à opção religiosa de alguém, mas que religião seja tratada como religião. A dança erótica com o fim de expor o corpo da mulher reduzindo-a a um simples objeto de desejo e prazer do homem também é considerada cultura em vários lugares do Brasil; há dias atrás isso foi enfatizado claramente em um programa televisivo que entrevistava uma professora demitida do seu local de trabalho por dançar de forma erótica em um show, a apresentadora do programa disse: repetidas vezes: este tipo de dança é cultural.
Se tudo for se tornando algo cultural em breve será cultural também práticas imorais que a sociedade ainda repudia. Abaixo um pouco da história de uma manifestação "cultural" em nosso país, o "Bumba meu boi" ensina valores espirituais de forma clara. Realmente algumas manifestações religiosas têm privilégios em nosso país dentro da mídia e do calendário anual, é só observar, por exemplo, nosso calendário. Agora, se manifestamos (cristãos de verdade) nossos conceitos acerca da moral no mundo atual e da religiosidade somos preconceituosos, retrógrados e outras coisas mais.

"O primeiro registro da festa apareceu em 1840, num pequeno jornal de Recife chamado O Carapuceiro, mas sua origem é certamente mais antiga. Alguns historiadores associam seu nascimento à expansão, no Nordeste, do chamado Ciclo do Gado - quando, a partir do século XVII, o animal ganhou grande importância nas fazendas da região. Apesar de o bumba-meu-boi ser uma manifestação típica do folclore brasileiro, ele lembra um pouco os autos medievais - encenações simples, com linguagem popular e, em geral, falando da luta do bem contra o mal. "O boi é um dos folguedos (festa popular) mais representativos da cultura brasileira, pois reúne traços de três grandes ramos da formação do nosso povo: europeu, indígena e afro-negro", afirma Américo Pellegrini Filho, folclorista da Universidade de São Paulo (USP). A apresentação, que ocorre principalmente em festas juninas, mostra as relações desiguais entre senhores de engenho, escravos e indígenas, numa sutil crítica social.
Existem enredos diferentes, mas numa das histórias mais populares um casal de escravos enfrenta a fúria de um senhor de engenho após matar um boi da fazenda.
Os dois, então, tentam de tudo para ressuscitar o bicho. As pessoas que assistem e dançam durante a exibição do grupo folclórico, que pode durar horas, são chamadas de brincantes e também dão um tom religioso à festa, pois agradecem graças alcançadas e fazem promessas ao boi. O curioso é que a palavra bumba exprime o suposto som de uma pancada do chifre do boi. Assim, bumba-meu-boi significaria algo como "Chifra, meu boi!"
- Mundo Estranho


"O boi, figura central do auto, geralmente é feito com uma armação de cipó coberta de chita, grande o bastante para que um homem a vista. A cabeça que pode ser feita de papelão ou com a própria caveira do animal. Na encenação, a lenda pode ser contada de várias formas, mas a história básica é a da escrava Catirina (ou Catarina), grávida, que pede ao marido Chico (ou Pai Francisco) para que mate o boi mais bonito da fazenda porque quer comer a sua língua. Ele atende ao desejo da mulher e é preso pelo seu feitor, que tenta a todo custo ressuscitar o boi, com a ajuda de curandeiros. Boi revivido, tudo acaba em festa. Outros personagens podem entrar na história para dançar, dependendo do tipo de boi: Bastião, Arlequim, Pastorinha, Turtuqué, o engenheiro, o padre, o médico, o diabo etc, todos quase sempre interpretados por homens, que se travestem para compor os personagens femininos. " UOL - Clique Music


6 comentários:

  1. A Paz de Jesus Abençoado
    Deus Continue te Dando inspiração
    pra Falar Acerca das Bençãos Celestiais
    Deus Te Use

    ResponderExcluir
  2. Caro irmão Vagner Lisboa,


    Obrigado pela participação. Que o Senhor continue abençoando a você também.

    Abraço.

    ResponderExcluir
  3. eu gosto muito dessa história

    ResponderExcluir
  4. Caro anônimo,

    Não gosto muito da história, ainda mais depois de conhecer bem como ela é,rsrsrs
    Deus o abençoe e nos dê graça apra entendermos tudo vemos e ouvimos.

    Em Cristo,

    João Paulo.

    ResponderExcluir
  5. eu amei continua sempre assim beijossssssssss....

    ResponderExcluir

O PÚLPITO PENTECOSTAL (2)

Se por um lado há falta de preparo por parte de muitos pregadores sobre os púlpitos (leia aqui ), de outro há uma tendência em achar que ...